Segunda-feira, 8 de Março de 2010

"Concessões" Rodoviárias...

 

Concessão rodoviária do Baixo Tejo
Os Presidentes da Estradas de Portugal, Almerindo Marques, e da empresa que ganhou o concurso, a Brisa, Vasco de Mello, na assinatura do contrato da concessão rodoviária do Baixo Tejo, que abrange os concelhos de Almada, Seixal, Barreiro, Montijo, Moita, Alcochete, Palmela, Setúbal e Sesimbra, melhor
http://www.portugal.gov.pt/pt/Pages/Contacto.aspx
Baixo Tejo
http://www.baixotejo.pt/?utm_source=sapo_local&utm_medium=banner&utm_campaign=baixo+tejo
Douro Litoral
http://www.moptc.pt/tempfiles/20080709203421moptc.pdf
 
Recursos disponíveis ao Patrulhamento
e Assistência da Brisa
 
A rede passou de 455km, em 1993, para 1007km, em 2003 e contava com 1 494 km em 2008 a nível nacional e, passou de 2x2 para 2x3 vias na maior parte da rede.
Durante o ano de 2003 a sub-holding Brisa Serviços foi “reformulada”, passando a ser uma sociedade instrumental que agrupa as empresas de serviços rodoviários.
Entre o período de 2003 a 2008, o número de Oficiais de mecânica da BAR à disposição dos condutores, variou entre:
Os 340 técnicos especializados e  mais de 96 viaturas para os actuais 240 Técnicos especializados (oficiais de mecânica) e 64 Viaturas de assistência.
No programa Novas concessões, adjudicou duas importantes concessões: a Concessão Baixo Tejo, definitiva em Janeiro de 2009, e a Concessão Litoral Oeste, definitiva em Fevereiro de 2009.
Mantendo no entanto, os mesmos 240 Técnicos especializados (Oficiais de mecânica).
Os 17 centros de operação deram lugar aos actuais 12 centros operacionais coordenados com 1 Centro de Coordenação Operacional.
 
Retºs. Sustentabilidade:
http://www.josedemello.com/gjm_press_05.asp?lang=pt&empresa=1&noticia=8005
http://www.brisa.pt/PresentationLayer/textosdetail.aspx?menuid=221&textoid=2054
http://www.brisa.pt/ResourcesUser/Sustentabilidade/Documentos/
RelatoriosSustentabilidade/RSustentabilidade2008_PT.pdf
http://www.ansr.pt/Default.aspx?tabid=95&language=pt-PT#2
Brisa O&M
http://cambiantevelador.blogs.sapo.pt/72945.html
 
 
Contrato de concessão da Brisa- Auto-Estradas de Portugal, S. A
Base XXXVII Assistência aos Utentes
1 - A concessionária é obrigada a assegurar a assistência aos utentes das auto-estradas que constituem o objecto da concessão, nela se incluindo a vigilância das condições de circulação.
2 - A assistência a prestar aos utentes nos termos do número antecedente consiste no auxílio sanitário e mecânico, devendo a concessionária, nos termos da alínea f) do n. 5 da base XXII, instalar para o efeito uma rede de telecomunicações ao longo de todo o traçado das auto-estradas, organizar um serviço destinado a chamar do exterior os meios de socorro sanitário em caso de acidente e a promover a prestação de assistência mecânica.
3 - O serviço referido no número antecedente funcionará nos centros de assistência e manutenção, que a concessionária deve criar, e que compreenderão também as instalações necessárias aos serviços de conservação, exploração e policiamento das auto-estradas.
 
Concessionárias de Auto-estradas.
As despesas com a assistência aos utentes numa concessionária de Auto-estradas tem custos elevadíssimos quando comparados com a receita que geram. Dai que, numa lógica de empresas privadas (cotadas em bolsa), será exigido também, que na assistência aos utentes/clientes, a despesa seja diminuída.
 
Assim, é um sector que põe à prova a gestão dos meios colocados ao seu dispôr. Isto porque, pode pôr em causa a segurança rodoviária (este serviço existe por força dos contratos de concessão) e deixar de garantir níveis de segurança para quem paga (ou não) portagem.
 
No entanto, numa lógica de redução de custos, existirá sobre os Gestores Operacionais (os responsáveis pelos centros operacionais), uma elevada pressão, no sentido de diminuir os encargos, tanto em pessoal como em meios técnicos.
 
 
 
Na óptica de redução de custos neste tipo de empresas (inadequadamente chamada “optimização” dos meios), poderá acarretar sério prejuízo na questão da sinalização, principalmente, no relacionado com a questão da sinalização de acidentes e obstáculos na faixa de rodagem, mas, também, no auxílio em caso de avaria mecânica.
 
Este tipo de prestação de serviços, não se compadece com falta de meios humanos, a não ser que existam outros com igual aptidão.
F.B
 
 
“Não importa o que te fizeram, o que importa é o que fazes com aquilo que te fizeram”.
Jean Paul Sartre

 

 

 

 

 

publicado por cambiantevelador às 01:28
link do post | sujerir | favorito

.Mais sobre mim em breve

.pesquisar

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. 406 Mortos nas estradas.....

. Auto-estradas sem Brigada...

. Condução Segura e Ecológi...

. Catástrofe Rodoviária…

. Portagens - CCUT 2014...

. Mais Vítimas na Estrada…

. Fim-de-semana negro...

. Travar a Sinistralidade.....

. Dê Férias à Velocidade…

. Crise Rodoviária em Portu...

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.favorito

. Contrato Promessa

. MOBILIDADE GEOGRÁFICA LAB...

. Cidadania activa: o jorna...

blogs SAPO

.subscrever feeds